Os mercados!

Sinceramente, não sei por onde começar.

Antes, ir ao mercado era uma atividade relaxante.

Agora, ir ao mercado tornou-se uma atividade estressante.


Primeiro, você tem que decidir se leva ou não seu filho. Isso somente acontece quando você ainda pode decidir... afinal eles continuam em casa e os grupos de risco continuam a existir.

Segundo, você prepara o arsenal contra o coronavírus... máscara, álcool gel e luvas se preferir.

Terceiro, você se prepara mentalmente para entrar num lugar público e também prepara mentalmente aos outros; principalmente se os outros são seus filhos e avisa em tom de alerta: "não coloca a mão em nada!"

Gente, que situação desagradável.

Depois, você escuta seu filho dizer que não sai de casa, que parece que o tempo não passou e que não tem escola, embora assista às aulas inúteis online.

Quarto, estaciona o carro e se dirige ao mercado, não usa o elevador!

Quinto, tem que pegar um carrinho, ou seja, tem que colocar a mão na barra do carrinho que todo mundo já colocou a mão. Você vê um funcionário educado com seu PANINHO!!!!! SUPER LIMPO gentilmente passando um produto que pode ser álcool. Fazer o quê! Você tem que pegar o carrinho.

Sexto, você olha para todos os funcionários do mercado e todos estão de luvas, máscara e face shield e; então, você se lembra que as praias, os bares, os ônibus, o calçadão estão lotados, mas o coronavírus só passa para você se você for ao mercado e à escola. O coronavírus é segmentado...

Caramba!!! Aí você pensa na hipocrisia da crise do coronavírus. Mas você continua com receio de pegar o maldito. Enfim, eu pelo menos tenho esse receio. Não sei quanto aos hospitais, porque já tem tempo que não vou, então, não sei como está a crise do coronavírus. Dizem que estão lotados.

Sétimo, você passa pela entrada do mercado e então você vê dois funcionários fazendo a recepção dos clientes, um oferece álcool e o outro escolhe aleatoriamente de quem ele medirá a temperatura. Resumindo... um controle totalmente inútil.

Oitavo, você pega os itens da lista e ainda administra seu filho que está agarrado em você fugindo das aglomerações e evitando tocar nas coisas. Só um pouquinho estressante! Cada item da lista causa um nervoso nas mãos...

Nono, você se dirige ao caixa e ao pagar, tem que digitar sua senha naquelas teclas super limpinhas, SÓ JESUS!!!

Décimo, você volta para casa e tem que guardar tudo que você não sabe se está contaminado com o vírus, ainda que façamos uma limpeza prévia, não é cem por cento efetiva. Separar as máscaras para lavar. Higienizar o celular, sem afogar o mesmo no álcool 70 e lavar a capa. É tanto álcool e água sanitária que daqui a pouco a impressão digital ficará falha.

Décimo primeiro, você toma um banho, todo mundo da família toma banho; uma sensação de alívio surge.


Você torce para ninguém ter pegado coronavírus.


Talvez, se você tivesse ido à praia ou ao bar ou pego um ônibus lotado não tivesse ficado tão estressado; afinal, o coronavírus é segmentado.

A crise mental e hipócrita do coronavírus.

Posts recentes

Ver tudo

As crianças

As crianças, seus sorrisos, suas risadas, suas gargalhadas. As crianças, suas brincadeiras, seus interesses mínimos. As crianças, suas vonta

As escolas

Tudo praticamente liberado. Praias lotadas, bares cheios, academias abertas... E as escolas fechadas...